Principais acidentes de trânsito e como evita-los4 minutos de leitura

Principais acidentes

De acordo com o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa a 5ª posição entre os países que mais registram morte por acidente. Os números nacionais são ainda mais exatos e devastadores, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), a cada 15 minutos uma pessoa morre devido a acidente de transito. Levando em conta os dados acima, reunimos aqui os principais acidentes de transito e como evita-los.

Clique aqui e confira algumas dicas de segurança para viajar de carro nas férias.

Principais acidentes de trânsito e como evita-los:

1. Colisão traseira:

O balanço divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) aponta que colisão traseira representa 18% do total de acidentes.

A principal causa está ligada a não guardar distância segura (distancia que permite ter tempo suficiente de parar o veículo) que está relacionada ao fator humano desatenção gerado devido ao uso de celulares e regulagem do rádio.

Para evita-lo basta manter a distância segura e estar sempre com o sistema de frenagem regulado.

2. Saída da pista:

Acidentes gerados por saída de pista estão associados a excesso de velocidade, o que expõe o condutor e os passageiros a eventuais riscos de vida. É claro que existem casos onde a saída da pista está ligada a presença de óleo, inadequações na via (como buracos e desníveis) ou ultrapassagens indevidas.

Para evitar esse tipo de acidente, basta respeitar a velocidade sinalizada pela via, além de adotar medidas de segurança, sempre realizando a revisão do carro e regulando a calibragem dos pneus.

3. Capotamento:

Outro dado chocante divulgado pela PRF, os capotamentos representam uma porcentagem considerável da totalidade de ocorrências registradas. Os números mostram também que os veículos que sofrem esse tipo de acidente, geralmente, são ônibus e caminhões, mas isso não exclui incidentes com veículos pequenos.

A principal causa dos capotamentos são excesso de velocidade, distração, carga mal posicionada e problemas no sistema de frenagem. Portanto, basta manter velocidade compatível a via, não pisar nos freios durante a curva e realizar manutenções no veículo.

4. Colisão Frontal:

Colisão frontal corresponde a boa parcela dos registros de acidentes em rodovias federais. Ultrapassagem perigosa e falta de atenção dos condutores são as principais causas desses incidentes.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) classifica colisões frontais como graves, apresentando níveis diferentes de periculosidade, mas com grande potencial de danos fatais.

Então, redobre a atenção nos momentos de ultrapassagem, garantindo que a pista contrária está livre e que a manobra será executada com segurança.

5. Colisão com elementos fixos:

Esse tipo de acidente está relacionado ao fator humano: falta de atenção, sono, cansaço, fadiga, ingestão de substancias entorpecentes e excesso de velocidade.

A solução para evitar esse tipo de acidente é a adoção de práticas da direção defensiva. Não ingerir álcool ou outras substâncias com efeito semelhante, sempre prezar pela condução segura, pelo bem-estar dos passageiros e pelo respeito aos outros usuários da via.

6. Atropelamento:

Sempre que houver a possibilidade de ceder passagem, permita. Idosos, crianças e pessoas desatentas podem cruzar o caminho mesmo não havendo faixa, por isso esteja sempre atento.

As principais causas de atropelamento são: excesso de velocidade, desrespeito a sinalização e uso de entorpecentes.

Por isso, para evitar sempre respeite a sinalização, reduza a velocidade nas áreas onde exista intensa movimentação de pedestres, ligue sempre os faróis e no caso de ingestão de entorpecentes, não dirija.

Quais providencias devem ser tomadas nesses casos?

O primeiro passo é verificar se há vítimas, pois se houver, em alguns casos é necessário aplicar os primeiros socorros. Se houver vítimas, acione o resgate imediatamente. Outra providencia que deve ser tomada, é sinalizar o local, impedindo que outros acidentes ocorram. Não mova os veículos, nem as vítimas (apenas em casos de morte imediata ou incêndio).

Se houver seguro, entre em contato com o seu corretor ou fale diretamente com a seguradora.

Faça uma cotação na Seguralta e proteja o seu veículo!

Você pode acessar e conferir todos os números apresentados nesse texto clicando aqui.

Você achou esse post útil?

Clique nas estrelas para avaliar!

Média dos resultados: / 5. Contador de votos:

Se você achou esse post útil...

siga a gente nas redes sociais.

Que pena que esse texto não tenha sido útil pra você!

Vamos melhorar juntos?

Ana Clara Moreno

Trabalha no departamento de comunicação da Seguralta.
Ana Clara Moreno

Últimos posts por Ana Clara Moreno (exibir todos)