Aprenda a organizar suas finanças pessoais e conheça 5 ferramentas simples que podem te ajudar nisso

financas-pessoais


Se você sente a necessidade de organizar suas finanças pessoais mas acaba sempre deixando isso para depois, chegou a hora de resolver essa questão de uma vez por todas. E para começar seu planejamento, saiba que não é necessário receber um salário maior, conhecer a fundo os programas e aplicativos disponíveis na internet ou ter muito tempo sobrando para poder poupar ou investir seu dinheiro. Organizar suas finanças não é um bicho de sete cabeças e requer poucos pré-requisitos.

Para ajudar você nessa empreitada, separamos algumas dicas importantes ao longo deste artigo. A dica “Zero” é: pare de postergar! Sua saúde financeira não pode permanecer debilitada ou entrar em uma onda negativa. É necessário ter vontade, então comece seu planejamento hoje mesmo. Ao tomar essa decisão, tenha em mente que você deve utilizar seu dinheiro como energia positiva e direcioná-lo de forma adequada.

 

Escreva os seus gastos num papel

Segundo o educador financeiro Eduardo Amuri, um bom exercício para começar seu controle financeiro é escrever seus gastos num papel. Nesse momento não é necessário planilha, calculadora ou aplicativos. Somente papel e caneta. Mas não deixe de fazer esse exercício, se não souber os dados corretamente, tente ser o mais preciso possível. Essas anotações ajudam bastante pois irão “escancarar” sua vida financeira para que possa compreender melhor para onde o seu dinheiro, ou boa parte dele, está indo.

Registre seus gastos todos os dias sendo objetivo e pragmático, anote a data, o valor e a descrição do que foi gasto.  Algumas semanas depois, você terá uma noção do quanto gasta no mês. É o início da sua organização financeira.

 

Compare as receitas com os gastos

Talvez seja necessário você utilizar algum software como o Microsoft Excel ou o Google Planilhas, por exemplo. O importante é você listar todas as suas receitas e despesas do mês e visualizar todo dinheiro que entra e que sai.

Nessa etapa, é interessante classificar suas despesas em duas categorias, as fixas e as variáveis. São exemplos de despesas fixas: aluguel, parcelas de financiamento de imóvel ou carro, mensalidade de escola ou faculdade, plano de saúde, seguros, entre outros. Já as despesas variáveis podem ser: contas de celular, gastos no supermercado, gastos com combustível, água, energia, restaurantes, bares etc.

Ao repetir esse processo todo mês, será possível obter uma visão mais analítica e projetar seus gastos mensais, sabendo quanto do seu orçamento está comprometido e quanto pode ser poupado ou investido.

 

Faça um diagnóstico e conheça o seu orçamento

Procure fazer um balanço das suas contas e verifique se você gasta mais do que ganha ou se chega próximo a isso. Suas contas estão equilibradas? Se estão, ótimo! Comece fazer um planejamento para quitar suas dívidas, investir seu dinheiro, cuidar da sua aposentadoria e etc. Mas se suas contas não estão equilibradas, então está na hora de identificar pontos em que possa cortar gastos e dar início ao seu controle financeiro.

Após fazer um diagnóstico das suas contas, procure entender o seu orçamento mensal tendo como base suas despesas fixas e variáveis. Coloque um limite para seus gastos fixos e estabeleça metas de redução de gastos variáveis como água, energia, telefone, entre outros.

 

Mude alguns hábitos

Se você gasta por impulsividade, utiliza seu cartão só para ganhar milhas, compra coisas que não precisa ou mesmo não reflete se tem dinheiro em conta antes de fazer uma compra, está na hora de mudar seus hábitos.

Em primeiro lugar, procure nunca gastar mais do que você realmente tem. Os cartões de crédito ajudam a parcelar compras de grandes valores, é verdade. Porém, tente evitá-lo em compras pequenas a todo momento. Isso gera uma falsa sensação de que você possui mais dinheiro do que realmente tem e pode acabar gerando problemas na hora de pagar suas faturas.

É preciso refletir sobre seus hábitos de consumo, a frequência em que vai em restaurantes, cinemas, o modo com que faz suas compras, passeios, viagens, entre outros. Tente programar suas saídas visando sempre o equilíbrio de suas contas.

 

Crie uma reserva de emergência

Uma dica importante nessa etapa é procurar criar uma reserva de emergência, pois os imprevistos sempre acontecem e é importante estar preparado(a) para eles. Todos passam por momentos inesperados: um conserto de um carro, uma manutenção na casa, gastos com remédios por algum motivo de saúde, mas sempre é possível passar por esses imprevistos poupando um pouco a cada mês e criando sua reserva.

Poupar 10% da sua renda é o suficiente. Fortaleça esse hábito até atingir uma quantia que se aproxime de 4 a 5 vezes o seu salário, essa será a sua reserva. Após alcançar essa quantia, continue poupando os mesmos 10%, mas dessa vez para utilizar o excedente em aplicações e investimentos. Se for possível, aumente a porcentagem de poupança mensal no valor que achar necessário. Você terá, assim, cada vez mais controle sobre o seu dinheiro.


Crie metas

Estabeleça seus objetivos com base no panorama geral das suas finanças. Crie metas para pagar suas dívidas, poupar determinada quantia, investir seu dinheiro, financiar um imóvel, trocar seu carro, fazer uma aplicação etc. Dê prioridade para pagar dívidas que tenham os maiores juros, depois comece a pensar em outras formas de utilizar seu dinheiro. Assim, você conseguirá saber para onde deve ir e como fazer para chegar lá.

 

Pense em sua aposentadoria

Faça isso o quanto antes! Quanto mais cedo fizer, maior será a quantia acumulada e melhor será sua renda na aposentadoria. A previdência privada é uma boa alternativa para cuidar não só da sua aposentadoria, mas também para concretizar um projeto de vida, fazer algum investimento no futuro, pagar a faculdade do seu filho, entre outras opções.

Você pode escolher os planos de previdência aberta PGBL ou VGBL. Para saber mais sobre as diferenças entre esses dois tipos, leia o nosso artigo sobre o tema. De fato, a previdência privada permite que você tenha garantias futuras sem sacrificar o seu presente, sendo possível retirar o valor acumulado quando quiser.

 

Comece a fazer investimentos

Depois de passar suas finanças a limpo, quitar suas dívidas, mudar seus hábitos e criar um orçamento equilibrado, é hora de tomar decisões sobre investimentos. O mercado financeiro dispõe de vários produtos de acordo com o perfil do investidor. Existem investimentos seguros com boa rentabilidade como Tesouro Direto, CDB e LCI. Faça um planejamento com calma e decida por aquele que melhor se encaixa ao seu perfil.

Outra maneira de fazer investimentos, além do âmbito financeiro, são os considerados intangíveis e estão relacionados à sua qualidade de vida. São investimentos materiais e também imateriais como viagens, compra ou troca do seu automóvel, compra da casa própria, entre outros. Os consórcios são uma boa alternativa para aquisição de um carro ou imóvel.

 

Ferramentas de controle financeiro pessoal

Além do próprio Excel ou Google Planilhas, já citados nesse artigo, existem muitas outras ferramentas disponíveis gratuitamente na internet que podem te ajudar em seu controle financeiro. Elas não são imprescindíveis e nem podem se tornar obstáculos para não organizar suas finanças caso não saiba utilizá-las, mas saiba que “quebram um galhão”.

Confira abaixo 5 ferramentas para controle financeiro pessoal, recomendadas por educadores, que vão ajudar você entender melhor seus gastos:

 

1. Guia Bolso

Esse aplicativo consegue puxar seus dados bancários, em mais de um banco, e registrar seus gastos nos cartões de débito e crédito, sendo necessário somente registrar seus gastos em dinheiro vivo. Assim, é possível ver onde você está gastando mais e criar metas de gastos.

 

2. Mobills

Possui inúmeras funcionalidades como registro de despesas e receitas, categorização dos gastos, e limites para despesas. No entanto, a versão gratuita possui recursos limitados.

 

3. Minhas Economias

Ideal para quem tem ganhos variáveis, pois é possível cadastrar diversas contas, programar pagamentos e dividir os gastos em categorias. O grande diferencial é a exportação de planilhas de Excel.

 

4. QuickBooks / ZeroPaper

Uma plataforma digital interativa para controle das finanças pessoais e até mesmo voltada para micro e pequenas empresas. Se destaca pela facilidade de uso, com apoio para tomadas de decisões, métricas, visão geral sobre fluxo de caixa entre outros recursos. Também oferece soluções para emissões de notas fiscais, boletos e gerenciamento de usuários.

 

5. Organizze

Os diferenciais são a reconciliação bancária de contas e também o estabelecimento de metas mensais de orçamento e gastos. O lançamentos podem ser feitos de forma manual nas contas correntes e cartões de crédito, com gráficos informativos ao final de cada mês.

 

Em resumo…

Ter o controle dos seus gastos e saber com exatidão para onde vai o seu dinheiro não é uma tarefa simples, mas é um passo importante para você organizar suas finanças pessoais. Em momentos de oscilações na economia, é preciso identificar gastos supérfluos e canalizar sua energia financeira para o caminho correto.

Tenha sempre em mente que, além de ganhar dinheiro, você precisa saber como utilizá-lo da maneira mais adequada. Afinal, não resolveria muito ganhar bem ou ter uma aumento significativo no salário se você gastar tudo o que ganha. Por isso, a educação financeira é tão importante para você formar e preservar seu patrimônio.


Deixe um comentário